Voltar

bn_barra.gif (3331 bytes)

Avançar


"HORTI.COM.BR" - O MAIOR PORTAL DOS PRODUTORES, DISTRIBUIDORES, COMERCIANTES E PROFISSIONAIS DO SETOR


Horti.com.br / Curiosidades / Frutas do Norte e Nordeste

 

FRUTAS DO NORTE E NORDESTE

Açaí: é o fruto de uma palmeira típica da beira dos rios da região amazônica. A planta, o açaizeiro, produz frutas o não todo. O açaí é verde quando nove e cinza-escuro depois que amadurece. Tem pouca polpa, sabor agridoce, aroma forte, caroço duro e casca fina e lisa.

Abricó-do-pará: cultivado na Amazônia, é muito usado no preparo de sorvetes, doces e compotas. Também pode ser consumido ao natural. Em geral, o fruto maduro é colhido de dezembro a maio, sendo que os melhores meses da safra são fevereiro e março. É considerado um alimento energético, pois tem muitos hidratos de carbono, proteínas e vitaminas A e do complexo B. É usado no preparo de um mingau e de um vinho típico, que costuma ser tomado com farinha de mandioca, acompanhando peixe assado ou seco.

Araçá: há muitos tipos de araçá, mas os mais comuns são: araçá-vermelho, araçá-de-cora, araçá-da-praia, araçá-do-campo, araçá-do-mato, araçá-pêra, araçá-rosa e araçá-piranga. Seu sabor lembra um pouco o da goiaba, embora seja um pouco mais ácido e de perfume mais acentuado. É uma fruta pequena, arredondada, com sementes, cuja polpa varia de cor segundo a espécie, predominando o alaranjado e o amarelo-claro. O araçá é usado no preparo de sorvetes e refrescos. Com ele também se faz um doce muito parecido com a goiabada.

Bacaba: é o fruto de uma palmeira típica da foz do rio Amazonas, mas que também pode ser encontrada nos matos e capoeiras de terra firme do Maranhão, Goiás e Mato Grosso. A fruta é arredondada, de casca roxa e polpa branco-amarelada, muito rica em uma espécie de óleo, de cor amarelo-clara, que pode ser usado na cozinha. Com a bacaba prepara-se uma bebida muito apreciada no Norte, conhecida como "vinho de bacaba". A fruta é encontrada a partir de outubro, principalmente de janeiro a maio, época das chuvas.

Bacuri: embora o bacurizeiro possa ser encontrado em todo o Brasil, é no Pará que estão as maiores concentrações dessa árvore. Há muitas variedades de bacuri, sendo que as mais conhecidas são o bacuri-vermelho, o bacuri-de-folha-miúda e o bacuri-de-folha-larga. O fruto pode ser redondo ou comprido. O primeiro se parece com uma laranja grande, pesa cerce de 300 gramas e tem sementes recobertas por uma polpa clara, doce e perfumada. Uma particularidade do bacuri é que algumas partes da polpa – chamadas "filhos do bacuri" – não têm sementes e são mais doces que o resto da fruta, sendo por isso muito apreciadas. O bacuri comprido diferencia-se do redondo não só pela forma como por ter maior quantidade de "filhos". Embora possa ser comido ao natural, o bacuri é mais consumido em doces, em geléias e refrescos. Um detalhe importante em relação ao bacuri: ele não deve ser colhido no pé, pois contém uma resina que estraga seu sabor. Portanto, recomenda-se apenas recolher o fruto depois que ele cair no chão.

Biribá: é uma das frutas mais difundidas e cultivadas no estado do Pará. Tem uma forma estranha, com saliências que parecem pequenos cones, cor amarelada (quando madura), polpa branca, mole e suculenta, de sabor adocicado. Não é adequada ao preparo de doces; deve ser consumida ao natural. É encontrada o ano todo, principalmente entre os meses de dezembro e maio. Suas sementes reduzidas a pó são usadas na medicina caseira como remédio contra a enterocolite.

Cajá: é uma frutinha de casca lisa e fina, de cor alaranjada ou vermelha, e polpa suculenta de sabor agridoce, que se presta ao preparo de batidas, licores e sorvetes. É rica em minerais, como cálcio, fósforo e ferro. Pode ser encontrada o ano todo.

Carambola:é considerada uma fruta de quintal, pois seu cultivo não é feito em escala comercial. Tem uma forma curiosa, de gomos achatados, que, quando cortados no sentido transversal, têm o aspecto de uma estrela. A cor varia do verde ao amarelo, dependendo do grau de maturação da fruta. Em relação ao sabor, ela é adocicada quando madura e um pouco ácida e adstringente quando ainda está verde. A carambola é rica em sais minerais (cálcio, fósforo e ferro) e contém vitaminas A, C e do complexo B. A fruta pode ser consumida ao natural ou no preparo de geléias, sucos e compotas. As flores também são comestíveis em saladas. O suco da carambola tem a particularidade de eliminar manchas em objetos de metal.

Fruta-pão: há duas variedades dessa fruta: uma tem sementes, outra não. Esta última é a mais conhecida. O fruto é grande (chega a pesar mais de 2kg), redondo, de casca amarela com saliências. A polpa é amarela, aromática e doce. Pode ser cozido ou assado e consumido como substituto do pão. Da outra variedade, apenas as sementes são usadas como alimento.

Graviola: é uma árvore tropical de pequeno porte. A fruta tem forma ovalada, casca verde-pálida e pesa entre 1 e 2 kg. Contém muitas sementes, pretas, envolvidas por uma polpa branca, de sabor agridoce, muito delicado. A graviola dá um suco delicioso e presta-se muito bem ao preparo de sorvetes e compotas. Quando o fruto ainda está verde, pode ser cozido e consumido como legume.

Ingá: as espécies comestíveis de ingá produzem frutos em vagem, grandes e verdes, com sulcos no sentido do comprimento, que podem atingir até 1 metro de comprimento. A polpa é branca, levemente fibrosa e adocicada, bastante rica em sais minerais. Em geral, ela é consumida ao natural, pois não se presta a preparações culinárias. Também é usada na medicina caseira, sendo útil no tratamento da bronquite (xarope) e como cicatrizante (chá).

Jambo: no Brasil há duas variedades de jambeiro: o jambeiro-amarelo (ou jambeiro-rosa, que é uma árvore ornamental, e o jambeiro-vermelho, que dá um fruto de casca avermelhada e polpa branca, de consistência esponjosa e sabor agradável semelhante ao da maçã. O jambo pode ser consumido ao natural ou em conserva. Também é usado na medicina caseira, contra dor de cabeça, catarro e tosse.

Jenipapo: é uma fruta que se parece com o figo, só que um pouco maior. Deve ser colhida no ponto certo de maturação para que possa ser aproveitada. Embora seja consumida ao natural, seu uso mais freqüente é sob a forma de licor. Na medicina caseira, o jenipapo é utilizado como fortificante e estimulante do apetite.

Mangaba: a mangabeira é uma árvore de galhos pequenos que produz flores claras e perfumadas, parecidas com o jasmim. É típica do litoral do Norte e Nordeste. A fruta é uma baga de cor vermelho-amarelada, muito usada no preparo de sucos, refrescos e sorvetes.

Pinha: também conhecida como fruta-do-conde, ata e cabeça de negro. É uma fruta que contém muito açúcar, portanto não é recomendada a quem faz regime de emagrecimento. O fruto tem casca verde e é coberto de saliências em forma de cone. Quando maduro, torna-se verde-acinzentado e as saliências se tornam mais visíveis. A polpa é branca e muito perfumada. A pinha pode ser consumida ao natural ou em forma de sucos, doces ou sorvetes. Para separar a polpa das inúmeras sementes, usa-se o liquidificador, ligando e desligando várias vezes o aparelho para não triturar as sementes.

Piquiá: é um fruto encontrado em toda a Amazônia, em matas de terra firme. A polpa do piquiá, que pode ser consumida crua ou cozida, fornece uma banha branca e fina, bastante rica em nutrientes.

Pitomba: fruto pequeno, arredondado, facilmente encontrado em Pernambuco e na Paraíba, de janeiro a abril. É uma fruta rica em vitamina C e não é usada em preparações culinárias.

Sapoti: Lembra um pouco o caqui, tanto no sabor como na forma, embora seja um pouco menor e de tonalidade mais escura. Tem polpa suculenta, perfumada, rica em vitaminas e sais minerais, principalmente ferro. Em geral, o sapoti é consumido ao natural, mas também pode ser preparado em forma de compota ou de xarope. Suas sementes, amassadas e diluídas em água, são diuréticas, sendo usadas, portanto, contra cálculos renais.

Tamarindo: fruto originário da Índia, como diz o nome: "tâmara da Índia". É uma vagem, classificada como legume, que tem casca cor de terra, dura e quebradiça. Sua polpa é avermelhada, fibrosa, de gosto agridoce, com alto teor de ácido tartárico (um estimulante das glândulas salivares). É rico em sais minerais, como cálcio, fósforo, ferro e cloro. Possui propriedades laxativas, porque estimula o funcionamento dos intestinos. Com o tamarindo preparam-se doces, conservas, bebidas, sucos e sorvetes. Para usar a polpa é preciso abrir a vagem, retirar as fibras do interior e deixar de molho em água. Depois, levar ao fogo para cozinhar durante 30 minutos e passar por uma peneira. As folhas e as flores também são comestíveis.

Tucumã: a fruta tem uma semente recoberta por polpa branca. Sua casca é verde quando a fruta ainda não está madura, passando para o laranja-amarelado depois que amadurece. Com o tucumã se faz uma farinha amarelo-clara, parecida com a farinha de milho, usada no preparo de mingaus e do cuscuz nordestino.

Uxi: é uma fruta típica da região amazônica, de cor amarelo-escura, muito rica em gorduras. Dele pode-se extrair um azeite rico em vitamina A, usado na alimentação. O uxi é consumido ao natural ou usado na preparação de sorvetes.

 




Voltar

bn_barra.gif (3331 bytes)

Avançar